absoluto

Os adolescentes não ligam mais para o Facebook?

Há mais de um ano, já falávamos aqui no blog que o Facebook, a maior e mais importante rede social do planeta, estava atraindo usuários mais velhos e, em contrapartida, afastando os mais jovens, que pareciam não achar o site de Mark Zuckerberg “cool” como era antes. E os últimos dados de pesquisas da Pew Ressearch sobre o comportamento dos usuários das redes sociais confirmam essa tendência.

Segundo os dados mais recentes, divulgados no final de maio, o Facebook ainda é de longe a rede social mais acessada pelos adolescentes entre 12 e 17 anos, com 77% de penetração. Mas eles estão usando menos o ambiente virtual do Facebook, e se preocupando mais com o que postam na rede. Foi-se o tempo de compartilhar tudo que acontecia em suas vidas. Metade dos que responderam a pesquisa já deletaram posts ou comentários ou se desmarcaram de fotos em que foram marcados, 75% já excluíram pessoas de suas redes e 58% bloquearam alguém.

Ao contrário dos usuários mais velhos, os adolescentes não se preocupam tanto com o uso de suas informações privadas por terceiros no Facebook. O problema deles é com o “drama” e a pressão de manter um perfil na rede social: o que postar ou não, qual deve ser a foto de perfil, quem deve ser seu amigo e pode ver o que você posta, etc. Segundo uma matéria do site The Verge que analisou a mais recente pesquisa, isso pode ter a ver com o fato de o Facebook ser hoje um “espelho” das interações diárias e da vida social “offline” dos adolescentes: seus parentes, colegas e professores da escola, estão todos lá, e os dilemas sociais que acompanham essa vida social, como as “panelinhas” da escola e até casos de bullying, contaminam sua presença no Facebook.

Segundo a matéria do The Verge, os adolescentes por enquanto não estão deletando seus perfis, o chamado “Facebookcídio”, mas começam a se voltar para outras redes sociais onde há menos pressão e eles podem ser mais eles mesmos. Um dado importante da pesquisa é que o número de adolescentes utilizando o Twitter saltou de 16% para 24% no último ano, confirmando a tendência que também apontamos aqui no ano passado. E cada vez mais o Instagram, outra rede que já mostramos aqui como uma ameaça ao reinado do Facebook, e que foi comprado pela empresa de Mark Zuckerberg por US$ 1 bilhão no ano passado, e o Tumblr, que recentemente foi adquirido pelo Yahoo! pela mesma quantia, disputam as atenções dos “teens”. E no próximo post vamos falar mais sobre o Tumblr, o que atrai tantos jovens e porque ele vale o valor bilionário pago pelo Yahoo! Fique ligado!